Educação é um desafio de todos

Um ano de pandemia. Um ano marcado, entre tantas dificuldades, por educadores e escolas se organizando como podiam para minimizar os efeitos da crise sanitária no desenvolvimento das nossas crianças e jovens. Embora ainda seja cedo para sabermos a extensão total dos prejuízos do ponto de vista do ensino e aprendizagem, os professores brasileiros conseguiram medir alguns deles a partir de seus sentimentos e percepções em sala de aula.

Educadores de todas as regiões do país foram ouvidos, sistematicamente, pelo Instituto Península em 2020 – e continuam sendo escutados este ano – para ajudarem a dimensionar as novas demandas pedagógicas, os desdobramentos desse cenário e quais os impactos socioemocionais em suas jornadas. Escutá-los e dar voz a esses profissionais é fundamental. Porém, os esforços não podem parar por aí: a qualidade da Educação do nosso país só vai melhorar se for um desafio compartilhado por todos nós. Afinal, o professor é um elemento fundamental deste processo, mas não pode se responsabilizar individualmente por formar as futuras gerações do Brasil. E qual desafio é esse? Na verdade, é no plural. Devemos mover, como sociedade, uma série de desafios na Educação.

Recursos e Infraestrutura

Você sabia que mais de 50% das crianças e adolescentes não têm acesso à educação a distância por falta de equipamento (computador ou tablet) ou conectividade? Por conta disso, desde o começo da pandemia, milhares de estudantes estão sem aulas. Essa infraestrutura deveria ser um direito garantido aos estudantes. Por meio de políticas públicas estruturantes, a conectividade deve fazer parte do kit escolar básico – assim como livro didático, caderno, caneta, lápis e borracha foram por muitos anos.

Profissionalização e desenvolvimento contínuo da carreira docente

Além disso, os educadores precisam de apoio para se desenvolverem constantemente, com formações que respondam às necessidades da realidade do país e das futuras gerações. Uma melhor preparação para o ensino híbrido também é essencial, já que essa modalidade de ensino deve ser a realidade dos próximos anos em todo o mundo devido à pandemia – 54% dos docentes acreditam que o futuro da educação deve ser o ensino presencial e 44% acreditam que será o formato híbrido. Isso apenas para citar alguns desafios.

Valorização dos professores e colaboração


Com a pandemia, intensificou-se a parceria dos docentes com os alunos e seus responsáveis para fazer o ensino remoto dar certo. Esta é uma excelente oportunidade para as famílias colaborarem com o processo de aprendizagem das dos estudantes. Inclusive, a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) recomenda esse trabalho colaborativo em rede: a criação de comunidades de professores, pais e diretores para trabalhar sentimentos de solidão ou desamparo, compartilhar experiências, propor estratégias para superar dificuldades de aprendizagem e enfrentar desafios psicossociais.

Além disso, durante a pandemia, 72% dos professores escutados pelo Instituto Península relataram estarem se sentindo mais valorizados pela sociedade. Eles também enxergam as ferramentas tecnológicas como aliadas: 94% dos docentes indicam que agora enxergam a tecnologia como muito ou completamente importante no processo de aprendizagem dos alunos.

É um começo encorajador, que mostra mais interesse dos cidadãos pelo ensino e aprendizagem no Brasil, mas ainda precisamos de muitas outras ações nessa frente, partindo de todas as esferas da sociedade. Se a Educação é para todos, ela deve ser também um desafio de todos nós.

Posts relacionados
Notas técnicas

Ensino Híbrido- Reflexões sobre a formação docente

Colaboração: a palavra da vez entre professores e famílias dos estudantes

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support